18/07/2017

Bíblias, histórias e blusas quentinhas para quem vive nas montanhas!

Betroka, 13 de julho 2017

"…pois a vós não foi concedido somente o crer em Cristo, mas também o sofrer por causa dEle..” ( Filipenses 1:29)

Estávamos voltando para nossa casa em Betroka, após alguns dias na capital de Madagascar, Antananarivo, quando ouvi uma música que dizia mais ou menos assim:  “…E se Sua cura vier através da dor? e se Suas bênçãos descerem apenas como gotas de chuva? Eu sei, que apesar disso, apesar dos sofrimentos dessa vida, Sua misericórdia estará lá, nos céus..” "… pois aqui ainda não é o nosso lar…”(Laura Story)

Queridos irmãos, enquanto em muitos lugares o evangelho tornou-se uma “grande - corrida - enlouquecida - pelas -bênçãos - do - Eterno” e alguns, porque não “conquistaram o que querem ” abandonam a fé, essa letra de música nos faz pensar se realmente vivemos por fé. A questão, não é se Deus vai ou não nos abençoar, mas sim, se deixaremos de seguir a Cristo por causa do sofrimento ou porque as Suas bênçãos não vieram da maneira como gostaríamos.
Deixaremos de amá-Lo porque não recebemos o que pedimos? Certamente que não! Os verdadeiros discípulos, seguem o Seu mestre aonde Ele for. E onde Ele está, ali estará eles. Na escola da vida, aprenderam a negar a si mesmo, tomar a cruz diariamente e segui-Lo.

Uma coisa é certa, “dias de angustias” virão; seja por causa do pecado, por provações, antagonismo mundano à nossa fé ou investidas do diabo. Todavia, eles não podem ofuscar a glória de Deus e o esplendor da Sua majestade, mesmo porque, a tristeza pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã. O Senhor não se esqueceu de nós. Sua misericórdia, amor e justiça ainda são o estandarte da Sua glória, e no tempo certo Ele agirá.

Precisamos aprender com o profeta Habacuque que afirmou, em meio ao sofrimento que Judá estava experimentando por causa do próprio pecado: “…em silêncio devo esperar para o dia da angustia que nos acomete. Ainda, que a figueira não floresça ou não haja fruto na vide. mesmo que o produto da oliveira minta; mesmo que não hajam alimentos nos campos e as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não hajam vacas, todavia, eu exultarei no SENHOR. Eu me alegrarei no Deus da minha salvação… (Habacuque 3).

O profeta não nega, repreende, amaldiçoa ou rejeita. Ele aceita o dia da correção e provação. Por quê? Porque Ele esperava em Deus, no amor e justiça do SENHOR. Ele sabia que o Senhor era poderoso o suficiente para livrá-los. Assim, nossa fé, nossa alegria, nosso amor ao Senhor não dependem das circunstâncias vividas, mas sim em conhecê-Lo e saber que Ele é bom, eternamente.

Por fim, mesmo se as bênçãos nunca chegarem ou vierem de uma maneira inesperada, ou a cura não acontecer, não se preocupe, ainda não chegamos em casa!

Um pouco sobre nós
Amados, primeiramente queremos agradecer profundamente as orações, o carinho e amor de todos. Sabemos que é pela misericórdia do Senhor, que a cada manhã é renovada sobre nós, que estamos aqui.

Queremos responder aqui a pergunta que todos nos fazem: E o Benício? O Benício está crescendo a cada dia. Sei que não sou alto, mas ele já está quase da altura da minha cintura (rs). Se tornou um “comedor de mandioca e arroz”. Claro que suprimos sua alimentação com outros legumes, mas ele gosta mesmo é de arroz! Embora esteja um pouco atrasado na fala, pois está aprendendo três línguas, cremos que ele progride a cada dia. Ontem ele disse que o papai é “inndo” ou seja, lindo. Isso sim é importante (rs). Graças ao Senhor ele está bem adaptado e passa o dia inteiro brincando com as crianças da vizinhança e claro, chamando: “Naná, Naná…” (a Jana).

No mais, estamos bem. Nossa saúde está melhor e podemos assim dedicar mais tempo ao ministério.

No mês de Junho, estivemos na capital, Antananarivo, para descansar um pouco e também fazer compras; para nós, para o ministério infantil e para suprir os irmãos em Betroka com Bíblias. Também aproveitamos o tempo para ver nossa situação com relação ao nosso visto de permanência no país. Todos os anos tem sido muito dificultoso obter um visto maior que um ano, o que aumenta nossas despesas de estadia no país, infelizmente.

A viagem de volta foi bem tranquila e chegamos bem. Embora os rumores de que os ladrões (malaso) estavam nas redondezas, o SENHOR nos livrou de todo o mal. Bendito seja o Seu Nome.