05/07/2019

De volta para casa

“ Seguir o chamado missionário de volta à terra, fato que não é diametralmente oposto e sim uma continuidade através do Projeto Diáspora Africana.”

Beira, junho de 2016

« Porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor para testemunhar o evangelho da graça de Deus.»...

 

Amados e queridos irmãos, igrejas, famílias,

Há alguns anos eu escrevi numa das minhas cartas contando experiências vividas aqui em Moçambique sobre duas interessantes árvores, que ficam na casa da esquina, aqui no bairro do Esturro, com prédios do tempo colonial. O coqueiro e o eucalipto formam um quadro deveras peculiar visto de minha janela, principalmente quando o vento e a chuva movimentam seus galhos e folhas produzindo em meu coração uma aplicação de ordem espiritual.

Hoje, há um mês e meio, antes de minha partida desta África querida e vivendo dias que correm tão rápido, muitas lembranças surgem e ressurgem invadindo sentimentos e propósitos. Pessoas, igrejas, lugares, situações lutam nesse aglomerado de tempo. Os projetos que estão a vir com a «Diáspora Africana» acompanharão a soberania divina. É tão fácil perceber nas últimas horas do entardecer onde o sol se mistura com farfalhar das árvores e o som que vem da mesquita tão próxima, a paz que remonta a melodia do hino: ...« seguirei a meu bom Mestre, onde quer que for, irei...».

Este é o hino de minha infância, adolescência e juventude, vividos na querida  Igreja Batista no velho bairro do Brás, em S. Paulo. O toque do Espírito Santo através dos hinos, igreja, pastor, visitas de missionários resultaram em minha vida o reconhecimento de maior aprendizagem em várias áreas para desempenhar no futuro o chamado do Senhor Jesus.

Assim foi e continua sendo, mesmo que agora após 46 anos de campo missionário, o coração e a alma continue a perceber que os campos estão prontos para a colheita e a pergunta de Jesus ressoe vividamente em meus ouvidos: ...«...onde os obreiros...oh! quem quer ir...»

Haverá sim, em minha vida dentro de algumas semanas uma «virada». Seguir o chamado missionário de volta à terra, fato que não é diametralmente oposto e sim uma continuidade através do Projeto Diáspora Africana.

Portanto meus irmãos, agradeço a cada igreja o apoio espiritual, financeiro, orações por minha família, filha, genro, netos, irmãos e irmã que me acompanham a cada dia.

 

Deus os abençoe ricamente,

 

Ita

Avatar
Publicado por Fernanda